Agora ou Depois? O Poder do Autocontrole.

(Dudi e Lariz)


Em 1972, Walter Mischel desenvolveu um teste simples para medir o autocontrole de pequenas crianças. Cada uma delas era colocada em uma sala onde havia apenas uma mesa e uma cadeira. A criança, então, sentava-se diante da mesa, sobre a qual o pesquisador colocava um marshmallow. Dirigindo-se ao pequeno, o pesquisador dizia: "Olha, eu tenho que sair para resolver alguns assuntos, e volto logo. Se você quiser, pode comer este marshmallow agora. Mas, se você esperar meu retorno, ao voltar eu te dou um marshmallow extra como prêmio". Assim, a criança tinha diante de si uma difícil decisão a ser tomada. O que eu prefiro: um pequeno prazer imediatamente ou um prazer maior no futuro? O conflito se instaurava, e o comportamento das crianças (observado secretamente pelos pesquisadores) revelava a batalha interna em que os sujeitos eram lançados.

O objetivo de Mischel era simular, no ambiente controlado do laboratório, uma situação com a qual nos deparamos inúmeras vezes ao longo de nossas vidas. Passamos pelo teste do marshmallow cada vez que decidimos fazer um regime, estudar para um vestibular ou economizar para comprar um carro. Todas estas decisões envolvem sacrifícios que, em última análise, serão imprescindíveis para que possamos alcançar nossos objetivos futuros. Nossa capacidade em renunciar aos prazeres imediatos quando nos lançamos na busca de metas maiores ditará, afinal, o quão bem sucedidos seremos em nossas vidas.

Ao reencontrar seus sujeitos experimentais anos mais tarde, quando já eram jovens adultos, Walter Mischel descobriu uma impressionante correlação entre o desempenho dos indivíduos no teste e a vida que conseguiram construir posteriormente. Via de regra, as crianças que souberam aguardar o retorno do experimentador se transformaram em jovens sociáveis, com bom desempenho acadêmico e com boas perspectivas profissionais. Os que não souberam esperar, por outro lado, acabaram se transformando em jovens com dificuldades escolares, vida social empobrecida e, muitas vezes, predisposição ao abuso de substâncias. Até hoje, o teste do Marshmallow é considerado o experimento comportamental com maior poder preditivo que a Psicologia já desenvolveu.

A moral da história, para todos nós, é simples. A vida que queremos é uma construção diária, que requer boas doses de esforço, foco, sacrifício e renúncia. Erguemos uma construção sólida na medida em que conseguimos reunir estes ingredientes. Por outro lado, o mundo parece sempre dizer "não" àqueles que só conseguem dizer "sim".

 

Mischel, W, Ebbesen, E. B., & Zeiss, A. R. (1972). Cognitive and attentional mechanisms in delay of gratification. Journal of Personality and Social Psychology, 21, 204-218.

 

[voltar]